SALAS AMBIENTE: os laboratórios de ensino da matemática

  • Ana Maria Antunes de Campos Doutoranda em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP.
Palavras-chave: Escola Ativa, Laboratório de Ensino de Matemática, Formação de Professores, História da Educação Matemática

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar as contribuições de José Ribeiro Escobar na implementação, criação e divulgação das salas ambiente, que se configuravam como laboratórios de ensino. Para o desenvolvimento deste artigo foi analisado os artigos publicados por José Ribeiro Escobar entre os anos de 1913 e 1934. Com o ideário de renovar a educação pública brasileira, alguns educadores acreditavam na potencialidade das salas ambiente, propagando que o uso dos materiais estimulavam e favoreciam a aprendizagem, proporcionando aos alunos o interesse e autonomia para desenvolver seu conhecimento por meio da experimentação e vivência. Escobar, foi um professor que escreveu sobre esse tema por 20 anos, ele pretendia que as salas ambiente fossem uma realidade de todas as escolas paulistas e brasileiras, e não envidou esforços para isso, divulgando na imprensa; organizando conferências e cursos; criando reuniões com inspetores e diretores escolares; recorrendo a um grande número de repartições públicas e particulares e enderençando ofícios as escolas, professores e delegados de ensino, propagando a importância da construção desse espaço. Os resultados apontam que José Ribeiro Escobar foi um dos precursores na propagação da construção de laboratórios de ensino da Matemática e acreditava que por meio dos instrumentos inseridos nas salas ambiente, a criança teria interesse em aprender e dessa forma aprenderia com significado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Antunes de Campos, Doutoranda em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP.
Doutoranda em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP. Mestre em Educação pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. Neuropsicopedagoga, Pedagoga, Psicopedagoga,Especialista em Ensino Lúdico, Pós Graduada em Didática e Tendências Pedagógicas. Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade de Guarulhos (2007). Tem experiência na área de Educacional, com ênfase em Ensino e Aprendizagem na Sala de Aula, Formação de Educadores.  Pesquisadora em Educação Matemática, Discalculia e Dificuldades de Aprendizagem.  Autora de artigos e livros na  área educacional  Atualmente é professora de Matemática - Ensino Médio, Docente na Pós - Graduação e Palestrante. Participa do Grupo de Pesquisa: Professor de Matemática: Formação, Profissão, Saberes e Trabalho Docente - PUC-SP. Participa do grupo de pesquisa: Infância, Cultura e História - GEPICH, do(a) Universidade Federal de São Paulo. Participa do grupo de pesquisa: História da educação: intelectuais, instituições, impressos, do(a) Universidade Federal de São Paulo.

Referências

ARAÚJO, C. (2009). A Reforma Antônio Carneiro Leão no final dos anos de 1920. Revista Brasileira de História da Educação, n° 19, p. 119-136, jan./abr.

BASTOS, M. H. C. (2003). As conferências pedagógicas dos professores primários do município da corte: permuta das luzes e ideias (1873-1886?). ANPUH – XXII Simpósio Nacional de História – João Pessoa.

BENCOSTTA, M. L.; SOUSA, R. F. (2013). Dossiê: Cultura material escolar: abordagens históricas. Educação em Revista, n.49. Curitiba, jul. /set.

CAMPOS, A. M. A. (2018). José Ribeiro Escobar: trajetória intelectual e profissional (1903 – 1938). ( Dissertação de Mestrado em Educação). Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, São Paulo.

_______________. (2017). As escolas Argentinas de José Ribeiro Escobar. Anais...IX COPEHE - Congresso de pesquisa e ensino de História da Educação em Minas Gerais: Repensar a História da Educação, pensar a política na História da Educação.

ESCOBAR, J. R. (1913). As Escolas Argentinas - A escola Roca. O Estado de S. Paulo, jul., p. 5.

_______________. (1913). As Normais ns. 1,4 e 6. O Estado de S. Paulo, 24/07/1913, p. 5.

_______________. (1913). As Normal n. 4 e a Escola Rivadavia. O Estado de S. Paulo, 11/08/1913, p. 3-4.

_______________. (1913). As Escolas Argentinas - conclusão. O Estado de S. Paulo, 28/12/1913, p. 6.

_______________. (1921). O aprendizado ativo. Revista Nacional Educação e Instrução Sciencias e Artes, São Paulo, ano I, nº 02, nov. p. 50-65.

_______________. (1932b). A sala-ambiente de Sciencias Physicas. Educação - Órgão da Diretoria Geral da Instrução Pública e da Sociedade de Educação de São Paulo, São Paulo, vol. IX, nº 8-9, p. 3-130, ago./set.

_______________. (1932a). Salas ambiente. Educação - Órgão da Diretoria Geral da Instrução Pública e da Sociedade de Educação de São Paulo, v. VIII, n. 6-7, jun./jul.

_______________. (1933). La sala ambiente. Revistas de Escuelas Normales, ano XI, n. 98, Madrid, nov.1933, p. 129-133.

_______________. (1934). O ensino de matemática. Revista de Educação. São Paulo: Órgão da Diretoria Geral do ensino do Estado de São Paulo, março, v.5, n.5, mar. 1934.p. 107-145.

GONDRA, J. G.; MIGNOT, A. C. V. (2007). Viagens de educadores e circulação de modelos pedagógicos. GONDRA, J. G.; MIGNOT, A. C. V. Viagens Pedagógicas, SP: Cortez.

LANÇA, L. A. da S. (2017). Livros de Psicologia recomendados para a formação de professores na reforma educacional Francisco Campos-Mário Casassanta (1927). 106 f. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social. Minas Gerais. Universidade Federal de Minas Gerais - FAE/UFMG.

Monarcha, C. (1999). Escola Normal da Praça: o lado noturno das luzes. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

MORTATTI, M. do R. L. (2000). Os sentidos da alfabetização - São Paulo (1876-1994). São Paulo: Unesp.

NAGLE, J. (1974). Educação e sociedade na primeira República. São Paulo: EPU-MEC.

NERY, A. C. B. (2009). A Sociedade de Educação de São Paulo: embates no campo educacional (1922-1931). São Paulo: Ed. UNESP.

RABELO, R. S. (2016). Destinos e trajetos: Edward Lee Thorndike e John Dewey na formação matemática do professor primário no Brasil (1920-1960). 285 f. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Educação. São Paulo. Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, USP.

REIS FILHO, C. (1995). A educação e a ilusão liberal, origens da escola pública paulista. Campinas: Autores Associados.

SOUZA, R. F. A. (1998). Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo. São Paulo: UNESP.

_______________. (2013). Objetos de ensino: a renovação pedagógica e material da escola primária no Brasil, no século XX. Educar em Revista. Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná, n. 49, p. 103-120.

TANURI, L. M. (1979). O ensino normal no Estado de São Paulo: 1890-1930. São Paulo: USP.

TIZZOT, O. G. F. A Argentina como referência de instrução pública: visões da elite normalista de São Paulo (1909 - 1920). (2013) .85 f. Dissertação (Mestrado em Educação). São Paulo: Faculdade de Educação, USP.

TORRE, A. R. D.; ANDRÉS, M. D. M. P.; REDONDO, M. S. (2015). La Revista de Escuelas Normales: Uma publicacion de Regeneracion normalista nacida em Guadalajara (1923-1936). Revista História de La Educación Latinoamericana, Vol. 17, nº 25, p. 10-29.

VALENTE, W. R. (2017). A Matemática no Curso Primário: quando o nacional é internacional, França e Brasil (1880-1960). Bolema, Rio Claro (SP), v. 31, n. 57, p. 365 -379, abr.

Publicado
2020-12-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 59
  • PDF downloads: 14
Como Citar
de Campos, A. M. (2020). SALAS AMBIENTE: os laboratórios de ensino da matemática. Revista De História Da Educação Matemática, 6(3). Recuperado de http://histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/326
Seção
Dossiê - Histórias de uma constituição de saberes matemáticos no ensino