HISTÓRIAS DE JOGOS MATEMÁTICOS: o caso do Metromachia, para o ensino da Geometria

  • Anabela Teixeira Associação Ludus; Colaboradora do MUHNAC - Museu de História Natural e da Ciência da Universidade de Lisboa e do UIDEF - Instituto da Educação, Universidade de Lisboa
  • Jorge Nuno Silva Professor da Universidade Lisboa; Presidente da Associação Ludus; Investigador do CIUHCT – Centro Inter-universitário de História da Ciência e da Tecnologia
Palavras-chave: Jogos Matemáticos, Jogos pedagógicos, Ensino da Geometria, William Fulke, Metromachia

Resumo

Em todo o mundo, encontram-se vestígios de jogos, desde as eras mais distantes até à fase da civilização em que hoje nos encontramos. Neste texto focar-nos-emos nos jogos matemáticos, em particular nos de tabuleiro que envolvem conceitos geométricos. A história mostra-nos como podem ser objetos surpreendentes: as suas regras variadas, os seus diversos propósitos e os seus contextos constituem ricos elementos culturais. As intervenções arqueológicas dão contributos muito importantes para o conhecimento da existência de jogos ou de novas informações sobre estes. Descobrir as suas origens, o desenvolvimento das regras e dos elementos de cada jogo é um longo processo de investigação com avanços e recuos. Daremos alguns exemplos, designadamente de trabalhos desenvolvidos por investigadores portugueses. Por outro lado, muitos dos progressos da Matemática nascem a partir da prática ou da invenção de jogos. No texto são descritos alguns desenvolvimentos e suas personagens. No que se refere ao ensino, as suas potencialidades pedagógicas são há muito exploradas. Por exemplo, no âmbito das reformas que se operavam nas universidades inglesas no séc. XVI, William Fulke elaborou manuais de jogos matemáticos: o Rithomachia para auxiliar o ensino da Aritmética, o Ouronomachia para o ensino da Astronomia e Astrologia e o Metromachia para o ensino da Geometria. Este jogo é original e vamos dar-lhe destaque. Proporcionar o desenvolvimento de capacidades para criar conhecimento relevante e capacidades de adaptação cognitiva a situações novas e imprevisíveis exige, sem dúvida, grande capacidade de inovação. O ubíquo mundo dos jogos está aí, desde há muito, para nos ajudar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Catarino, I.(2007).O Metromachia, um jogo geométrico.Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática, NúmeroEspecialJaneiro de 2007, 53-68.

Donkers, J., Uiterwijk, J. & Voogt, A. (2007).Jogos Mancala –Tópicos sobre Matemática e Inteligência Artificial.Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática, Número EspecialJaneiro de 2007, 69-86.

Fernandes, L., Frazão, F. &Silva, J. N. (2012).1.as Jornadas de História dos Jogos em Portugal.Lisboa: Apenas Livros.

Ministério da Educação – Departamento de Educação Básica(2001). Currículo Nacional do Ensino Básico: Competências Essenciais –Matemática.Lisboa: Ministério da Educação.

Neto, J.P. & Silva, J.N. (2004).Jogos Matemáticos, Jogos Abstractos.Lisboa: Gradiva.

Netz, R. &Noel, W. (2007).O Codex Arquimedes.Lisboa: Edições 70.

Santos, C., Neto, J. &Silva, J. (2011).Jogos de Tabuleiro Tradicionais.Lisboa: Associação Ludus.

Silva, J. N. (2007). Hex. Boletim da Sociedade Portuguesa de Matemática, Número Especial deJaneiro de 2007, 87-94.

Silva, J.N.(2013).O Livro de Jogos de Afonso X, o Sábio.Lisboa: Apenas Livros.

Publicado
2016-10-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 572
  • PDF downloads: 122
Como Citar
Teixeira, A., & Silva, J. (2016). HISTÓRIAS DE JOGOS MATEMÁTICOS: o caso do Metromachia, para o ensino da Geometria. Revista De História Da Educação Matemática, 2(2). Recuperado de http://histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/91