PARAR PARA PENSAR UMA ESCOLA RURAL: um estudo por meio de narrativas orais

Palavras-chave: História Oral, Grupo Escolar Rural, História da Educação Matemática

Resumo

Este artigo é um desdobramento de uma pesquisa de mestrado, que potencializou o uso de narrativas, produzidas de acordo com os parâmetros da História Oral, para tecer compreensões sobre uma proposta educacional rural, os Grupos Escolares Rurais, uma experiência educacional pública do Estado do Paraná, instituído por volta de 1940 e extinto em meados da década de 1970. Nesta pesquisa nosso objeto de estudo foi o Grupo Escolar Rural Usina Bandeirantes, localizado em um complexo de uma Usina de Açúcar e Álcool, no município de Bandeirantes, na região norte do estado, construído em 1947. Tratava-se de um modelo de escola tipicamente urbano instalado na zona rural para atender, basicamente, os filhos dos colonos. Para a realização da pesquisa foram produzidas narrativas com ex-alunos e ex-professoras desta escola. Nosso objetivo, neste texto, é revistar as narrativas e disparar uma discussão sobre como essas narrativas orais nos permitem compreender a escola para além de suas funções e de seu papel social, contribuindo para pensarmos em outros seus elementos constitutivos.Apresentamos, então, algumas reflexões que extrapolam os resultados da pesquisa de mestrado em que foram produzidas as narrativas orais sobre o Grupo Escolar. Nossa lente teórica para este novo exercício analítico é Larrosa (2017) e por ela buscamos parar para pensar uma escola rural, intencionalmente construída para atender um público específico, considerado como um modelo de escola por aqueles que narram suas memórias saudosas, pelas quais se edifica a liderança forte de uma diretora, o ensino pautado na tríade ler-escrever-contar e um espaço tomado por regras e obediência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENCOSTTA, M. L. A. Grupos Escolares no Brasil: um novo modelo de escola primária. In STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C.(Orgs). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol. III: século XX. Petrópolis, RJ: Autores Associados, 2012, p. 68 – 77.

DELGADO, L. A. N. História Oral – memória, tempo, identidades. , 2 ª ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2010.

DE SOUZA, G. S.; ANDRADE, M. M. O hino, o sermão e a ordem do dia: memórias de uma escola isolada rural. Brazilian Electronic Journal of Mathematics (BEJOM). v. 1, p. 88-104, 2020.

FARIA FILHO, L. M. de; VIDAL, D. G. Os Tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação, nº.14, 2000.

FERNANDES, F. S. Notas sobre ficção, histórias de vidas e pesquisa em educação matemática: a propósito de o Impostor, de Javier Cercas. Revista Alexandria, v. 11, p. 165-182, 2018.

GARNICA, A. V. M. Analisando Imagens: um ensaio sobre a criação de fontes narrativas para compreender os Grupos Escolares. Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, vol.23, n.35, p. 75-100, 2010.

GARNICA, A. V. M. Cartografias Contemporâneas: mapear a formação de professores de Matemática. In: GARNICA, A. V. M. (Org.) Cartografias contemporâneas: mapeando a formação de professores de Matemática no Brasil. Curitiba: Appris, 2014. p. 39-66.

GARNICA, A.V.M. A experiência do labirinto: metodologia, história oral e educação matemática. São Paulo: Editora Unesp, 2008. 213 p.

GARNICA, A.V.M.; SOUZA, L. A. D. Elementos de História da Educação Matemática, Coleção PROPG Digital (UNESP). 2012.

GONZALES, K. G. Formar professores que ensinam matemática: uma história do movimento das Licenciaturas Parceladas no Mato Grosso do Sul. 2017. 534 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Bauru, 2017.

GONZALES, K. G.; GARNICA, A.V. M. Explorando o conceito de ideologia: uma tentativa de aproximação entre Hermenêutica de Profundidade e História Oral. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, Salvados, v.04, n.10, p. 141-160, jan./abr. 2019.

LARROSA, J. (Orgs). Elogio da escola. Tradução Fernando Coelho, Belo Horizonte: Autentica, 2017.

LARROSA, J. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. 175 p.

LARROSA, J. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Tradução de João Wanderley Geraldi. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 19, p. 20-28, jan./abr. 2002.

LOURENÇO, FILHO. Alguns aspectos da educação primária. Revista Brasileira de Estatística, Rio de Janeiro, out. dez. 1940, n. 4, p.649 - 664.

MARTINS-SALANDIM, M. E. A Interiorização dos cursos de Matemática no estado de São Paulo: um exame da década de 1960. 2012. 379 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Rio Claro, 2012.

NAKAMURA, M. E. F. P.; GARNICA, A. V. M. A História oral e alguns percursos metodológicos para compreender aspectos de uma experiência educacional paulista: Os Vocacionais. In: Anais p. 1 - 14. 2018.

NASSAR, R. Obra completa. Companhia das letras, 2016.

OLIVEIRA, R. D.; MARTINS-SALANDIM, M. E. Elogio de uma escola rural: notas à margem da História da Educação Matemática a partir de uma entrevista. In: XIII Encontro Nacional de Educação Matemática, 2019, Cuiabá. Anais...,Cuiabá, 2019, p. 1-12.

PORTELLI, A. História Oral como arte da escuta. São Paulo: Letra e voz, 2016.

PORTELLI, A. Tentando aprender um pouquinho. Algumas reflexões sobre a ética na história oral. Revista Projeto História, São Paulo, n.15, p. 13 - 49, 1997.

SANTHIAGO, R.; MAGALHÃES, V. B. de. História Oral na sala de aula. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. (Coleção Práticas Docentes). 206 p.

SCHELBAUER, A. R. Da roça para a escola: institucionalização e expansão das escolas primárias rurais no Paraná (1930-1960). Revista História Educacional, Porto Alegre, v.18, n. 43, p. 71-91, maio/ago., 2014.

SOUZA, G. S. Da fuligem à edificação do Grupo Escolar Rural Usina Bandeirantes: narrativas que contam história(s). 2019. 161 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Matemática) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, 2019.

SOUZA, G. S. Memórias da primeira década de funcionamento da Casa Escolar Lourenço Ormenezze: uma narrativa. Trabalho de Conclusão de Curso- Licenciatura em Matemática. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. 89f. 2017.

SOUZA, R. F. de. Templos de Civilização: a implantação da Escola Primária Graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: UNESP, 1998.

TIZZO, V. S. Mobilizações de narrativas na (e para a) formação de professores: potencialidades no (e a partir do) Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência. 2019. 488 f. Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas - Universidade Estadual Paulista – UNESP, Rio Claro, 2019.

VIANNA, C. R. Sem título. In: GARNICA, A. V. M. (Org.). Cartografias contemporâneas: mapeando a formação de professores de Matemática no Brasil. Curitiba: Appris, 2014. p. 67- 85.

Publicado
2020-12-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 83
  • PDF downloads: 18
Como Citar
Souza, G., & Andrade, M. (2020). PARAR PARA PENSAR UMA ESCOLA RURAL: um estudo por meio de narrativas orais. Revista De História Da Educação Matemática, 6(3). Recuperado de http://histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/320
Seção
Dossiê - Histórias de uma constituição de saberes matemáticos no ensino