ENSINAR A ENSINAR MATEMÁTICA: constituição e circulação de práticas em trajetórias profissionais de professores de Estágio Curricular Supervisionado (UFMG, 1968-1994)

  • Mariana Lima Vilela
  • Filipe Santos Fernandes Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Formação de professores de matemática, História da formação de professores de matemática, Práticas de ensinar a ensinar, Formador de professores de matemática

Resumo

Examinamos, neste texto, as contribuições do estudo de trajetórias profissionais de professores universitários para a compreensão da constituição e circulação de práticas de ensinar a ensinar matemática. Para isso, apresentamos brevemente as práticas de ensinar a ensinar matemática como uma ferramenta conceitual e, como objetivo deste artigo, propomos realizar um exercício de análise a partir do estudo das confluências entre as trajetórias profissionais de docentes de disciplinas responsáveis pelo Estágio Curricular Supervisionado no curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e documentos ligados a essas disciplinas, como ementas e programas, no período de 1968 a 1994. Essa análise permite-nos considerar que os conteúdos, as metodologias e as avaliações dessas disciplinas acompanharam a modificação dos ideários e discursos pedagógicos no tempo, tendo fortes influências das trajetórias profissionais de seus professores, além de evidenciar como as disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado atuavam como um catalisador de questões ligadas ao ensino de Matemática, promovendo uma atualização dos ideários e discursos pedagógicos ligados à formação e à atuação de professores de Matemática no curso de Licenciatura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fernandes, F. S. (2017). Histórias da posição científico-acadêmica da Educação Matemática no Brasil: sistematização e perspectivas. Zetetiké, 25, 222-239.

Melillo, K. M. C. F. A. L. (2018). História de Práticas de Ensinar-Aprender Matemática no Colégio Técnico da UFMG. (Tese em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Miguel, A. (2003). Formas de ver e conceber o campo de interações entre Filosofia e Educação Matemática. In Bicudo, M. A. V. (Org.). Filosofia da Educação Matemática: concepções & Movimento. Brasília: Editora Plano.

Miguel, A., Garnica, A. V. M., Igliori, S. B. C., & D’Ambrosio, U. (2004). A educação matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, 27, 70-93.

Subtil, M. J., & Belloni, M. L. (2002). Dos audiovisuais à multimídia: análise histórica das diferentes dimensões de uso dos audiovisuais na escola. In Maria L. B. (Org.). A formação na sociedade do espetáculo (pp. 47-72). São Paulo: Loyola.

Universidade Federal de Minas Gerais. (19--). Memorial de Henrique Morandi. Belo Horizonte: Centro de Documentação e Memória – FaE/UFMG, Fundo: FAE, Caixa 17.

Valente, W. R. (2014). A Prática de Ensino de Matemática e o Impacto de um novo campo de pesquisas: a Educação Matemática. Alexandria, 7, 179-196.

Vilela, M. L. (2020). Compreensões históricas das disciplinas de Estágio Curricular Supervisionado no curso de Licenciatura em Matemática da UFMG (1968 – 1994). (Dissertação em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Publicado
2020-12-21
Métricas
  • Visualizações do Artigo 41
  • PDF downloads: 7
Como Citar
Vilela, M., & Fernandes, F. (2020). ENSINAR A ENSINAR MATEMÁTICA: constituição e circulação de práticas em trajetórias profissionais de professores de Estágio Curricular Supervisionado (UFMG, 1968-1994). Revista De História Da Educação Matemática, 6(3). Recuperado de http://histemat.com.br/index.php/HISTEMAT/article/view/356
Seção
Dossiê - Histórias de uma constituição de saberes matemáticos no ensino