A ESCOLA ATIVA NOS GRUPOS ESCOLARES CATARINENSES: o programa de Aritmética de 1946

David Antonio Costa

Resumo


Este texto tem como objetivo caracterizar alguns aspectos da escola ativa nos grupos escolares catarinenses vistos no programa de Aritmética de 1946. Adota-se como ferramental teórico-metodológico a História Cultural representada nas ideias de Julia e outros referencias da História da Educação. O texto produzido, cotejado com a legislação catarinense tomada como fonte privilegiada, permitiu identificar características do ideário da Escola Nova desde os tempos da Reforma Trindade, 1935, intensificando sua presença no programa de 1946. No entanto, ainda que este movimento tenha sido gradualmente intensificado, também foi observado a permanência da característica da Pedagogia Moderna, representada pelo método intuitivo. De fato, nota-se um deslocamento gradativo direcionado para a escola ativa caracterizado pela ênfase dada ao ensino no trabalho pelo aluno.


Texto completo:

PDF

Referências


Bombassaro, Ticiane. (2007). Santa Catarina na IV Conferência Nacional de Educação: por uma Escola Nova barriga-verde. Revista Brasileira de História da Educação. 7, (3), p. 137-173.

Carvalho, Marta Maria Chagas de. (2000). Modernidade pedagógica e modelos de formação docente. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, 14, (1), p. 111-120, jan./mar.

Costa, David Antonio da Costa & Souza, Thuysa Schlichting de. (2014). Os Programas de Ensino dos Grupos Escolares Catarinenses: um estudo sobre a aritmética escolar, 1910-1946. In: Costa, David Antonio da Costa & Valente, Wagner Rodrigues (Orgs.). Saberes matemáticos no curso primário: o que, como e por que ensinar? Estudos comparativos a partir da documentação oficial escolar. São Paulo: Editora Livraria da Física. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/133058. Acesso em 31 jan. 2016.

De Paula, Maria Fernanda Batista Faraco Werneck. (2015). Escola nova em manuais didáticos de Alfredo Miguel Aguayo (Santa Catarina 1942-1949). 2015. 447 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.

Fiori, Neide Almeida. (1991). Aspectos da evolução do ensino público: ensino público e política de assimilação cultural no Estado de Santa Catarina nos períodos Imperial e Republicano. Florianópolis: Ed. da UFSC.

Julia, Dominique. (2001). A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, 1, p. 9-43.

Kuhn, Thaline Thiesen. (2015). Aproximações da geometria e do desenho nos programas de ensino dos Grupos Escolares catarinenses. 2015. 174 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2016.

Lourenço Filho, Manuel Bergström. (1978). Introdução ao estudo da Escola Nova: Bases, sistemas e diretrizes da Pedagogia contemporânea. (13ª ed). São Paulo: Melhoramentos.

Nóbrega, P. (2003). Grupos escolares: modernização do ensino e poder oligárquico. In: Dallabrida, N. Mosaico de escolas: modos de educação em Santa Catarina na primeira república. Florianópolis: Cidade Futura, p. 253-280.

Portela, Mariliza Simonete. (2014). As cartas de Parker na matemática da escola primária paranaense na primeira metade do século XX: circulação e apropriação de um dispositivo didático pedagógico. 189 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2016.

Santa Catarina. (1910). Lei n. 846, 11 out. 1910. Florianópolis. Acervo: APESC. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2016.

_______. (1928). Programa dos grupos escolares e das escolas isoladas do estado de Santa Catarina. Decreto n. 2218, 24 out. 1928. Florianópolis: Imprensa Official. Acervo: APESC. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2016.

_______. (1942). Secretaria do Interior e Justiça. Departamento de Educação. Circular n. 32, de 26 de setembro de 1935 — recomenda para as bibliotecas dos Grupos Escolares a compra dos livros da Companhia Editora Nacional, sob direção de Fernando de Azevedo — Série III — Atualidades Pedagógicas. Circulares 1930-1941. Florianópolis: Imprensa Oficial.

_______. (1946). Secretaria da Justiça, Educação e Saúde. Departamento de Educação. Programa para os estabelecimentos de ensino primário do estado de Santa Catarina. Decreto n. 3.732, 12 dez. 1946. Florianópolis. Acervo: APESC. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2016.

Santos, Piersandra Simão dos. (2014). A escolarização da Matemática no Grupo Escolar Lauro Müller (1950 – 1970). 2014. 163 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 31 jan. 2016.

Silveira, Rosangela Kirst da. (2013). Orientações da Reforma Orestes Guimarães para a matemática na Escola Normal Catharinense. 140 f. Dissertação (Mestrado) -Programa de Pós-graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2016.

Souza, Rosa Fátima de. (1998). Espaço da educação e da civilização: origens dos Grupos Escolares no Brasil. In: Souza, Rosa Fátima de; Valdemarin, Vera Teresa; Almeida, Jane Soares de. O legado educacional do século XIX. Araraquara: Unesp - Faculdade de Ciências e Letras, p. 19-62.

Souza, Thuysa Schlichting. (2016). Entre o ensino ativo e a escola ativa: os métodos de ensino de aritmética nos Grupos Escolares catarinenses (1910-1946). 178f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Teive, Gladys Mary Ghizoni. (2014). Pedagogia moderna no Brasil: primeiras discussões e experiências práticas (final do século XIX – início do XX). Revista Mexicana de Historia de la Educación, 2, (4), p. 153-172.

Valente, Wagner Rodrigues. (2015). Como ensinar matemática no curso primário? Uma questão de conteúdos e método, 1890-1930. Perspectivas da Educação Matemática, 8, (17), p. 192-207.

Vidal, Diana Gonçalves. (2005). Culturas escolares: estudo sobre prática de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas, SP: Autores Associados.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista de História da Educação Matemática