O MOVIMENTO DA MATEMÁTICA MODERNA E A GEOMETRIA PROPOSTA PARA ENSINAR ÀS CRIANÇAS EM MINAS GERAIS: referências e práticas de uma professora de Juiz de Fora

Thiago Neves Mendonça

Resumo


Neste artigo discutimos a Geometria proposta para ser ensinada às crianças durante o Movimento da Matemática Moderna (MMM) em Minas Gerais, com referências no material da professora Myriam Boardman, que lecionou na cidade de Juiz de Fora (MG). A pesquisa foi fundamentada teoricamente em Marc Bloch, que redefine o ofício do historiador; André Chervel com estudos sobre disciplinas escolares; Dominique Julia e o conceito de cultura escolar; Allain Choppin e os Programas oficiais e manuais didáticos; Roger Chartier com o conceito de apropriação; e Wagner Valente e Maria Célia Leme da Silva com conceitos e métodos mais específicos ao estudo histórico dos saberes matemáticos. Foram analisados o Programa do Ensino Primário Elementar (1961) e o Programa do Ensino Primário de Minas Gerais (1965).  As demais fontes analisadas pertenciam ao acervo da professora, que são: a coleção Curso Completo de Matemática Moderna para o Ensino Primário, de Tosca Ferreira e Henriqueta de Carvalho e cadernos de Geometria e Exercícios. Na legislação de 1965 foram observados alguns traços do MMM. No material pertencente à professora também foram encontrados traços do MMM na coleção, e em todo o seu material o ensino de Geometria era baseado na geometria plana e espacial, sem as noções de topologia.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de História da Educação Matemática