GRUPO DE PESQUISA HISTÓRIA ORAL E EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: dos estudos sobre Hermenêutica de Profundidade

Maria Ednéia Martins-Salandim

Resumo


Neste artigo, apresentamos um panorama do como temos concebido e mobilizado, no âmbito do Grupo História Oral e Educação Matemática (GHOEM), o referencial da Hermenêutica de Profundidade. Esse é um referencial para a interpretação de formas simbólicas, que são construções humanas intencionais, as quais servem para criar e manter relações assimétricas de poder, tal como proposto pelo sociólogo inglês, John Thompson. Trazemos exemplos de investigações desenvolvidas, segundo essa abordagem, por pesquisadores vinculados ao GHOEM. Essas pesquisas têm tematizado diferentes materiais, como livros didáticos, livro para o ensino, periódicos ou publicações oficiais, envolvendo diferentes idiomas – o que, em alguns casos, implica a necessidade de tradução para a língua portuguesa –, além de casos de mobilização simultânea da História Oral e do conceito de Paratextos Editoriais. Assim, trazemos reflexões sobre como a problematização intencional de questões metodológicas, caras a esse Grupo, estão diretamente relacionadas às temáticas e fenômenos percebidos como próprios do campo da História da Educação Matemática Brasileira.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de História da Educação Matemática